Não pode se deslocar a nenhum escritório?
Encontre um advogado online
Acesso escritório Cadastre grátis seu escritório

Quais as causas iInterruptivas da prescrição?

A prescrição, em termos penais, refere-se à pretensão punitiva estatal. Em outras palavras, é a perda do direito do Estado em aplicar sanções àqueles que praticam infrações penais...

30 abr 2020 O advogado esclarece - Leitura: min.

A prescrição, em termos penais, refere-se à pretensão punitiva estatal. Em outras palavras, é a perda do direito do Estado em aplicar sanções àqueles que praticam infrações penais, em razão da demora – entendida como inércia Estatal – na apuração e processamento dos fatos e na aplicação de uma reprimenda compatível e proporcional àquele ato delituoso.

O artigo 117 do Código Penal, nesse passo, estipula as causas que interrompem (lembrando que na suspensão o prazo voltaria a correr de onde parou, e na interrupção o prazo é efetivamente zerado, com exceção da recaptura de presos foragidos) o prazo prescricional.

São eles: (a) o recebimento da denúncia ou da queixa-crime; (b) a pronúncia, nos casos de processos do Tribunal do Júri; (c) a decisão que confirma a pronúncia – quando, por exemplo, a questão é submetida à análise da segunda instância mediante a interposição de Recurso em Sentido Estrito; (d) a publicação de sentença ou acórdão condenatório recorríveis; (e) pelo início ou continuação do cumprimento da pena; (f) a reincidência.

Quanto à reincidência, valem algumas considerações: primeiramente, é causa de aumento do prazo prescricional em 1/3 (um terço), nos termos do artigo 110 do Código Penal. Além disso, para que seja considerada para tais fins ou ainda como marco de interrupção do prazo prescricional, exige-se o trânsito em julgado da sentença penal condenatória.

Veja-se que há entendimento contrário, no sentido de que bastaria a prolação de tal sentença pelo Juízo, ou até mesmo deveria ser considerada a data do fato em si. Entretanto, tais entendimentos afrontam de maneira grave e direto o princípio da presunção de inocência, e não podem, portanto terem qualquer validade visto que manifestamente inconstitucionais.

De todo modo, tais questões, por serem atinentes a direitos e garantias fundamentais, são de ordem pública e podem, a todo e qualquer momento e instância, serem arguidos ao magistrado competente, por meio da intervenção de advogado especializado na matéria.

0 Curtir

Deixe seu comentário

INFORMAÇÃO BÁSICA SOBRE PROTEÇÃO DE DADOS
Responsável: Verticales Intercom, S.L.
Finalidades:
a) Envio de solicitação ao cliente anunciante.
b) Atividades de publicidade e prospecção comercial, por diferentes meios e canais de comunicação, de produtos e serviços próprios.
c) Atividades de publicidade e prospecção comercial, por diferentes meios e canais de comunicação, de produtos e serviços de terceiros de diferentes setores de atividade, podendo implicar repasse dos dados pessoais a esses terceiros.
d) Segmentação e elaboração de perfis para fins publicitários e para prospecção comercial.
e) Gestão dos serviços e aplicativos oferecidos pelo Site ao Usuário.
Legitimação: Consentimento do interessado.
Destinatários: Está previsto o repasse dos dados aos clientes anunciantes para atender suas solicitações de informação sobre os serviços anunciados.
Direitos: Tem o direito a acessar, retificar e eliminar os dados ou se opor ao tratamento dos mesmos ou a alguma das finalidades, bem como outros direitos, como se explica na informação adicional.
Informação adicional: É possível consultar a informação adicional e detalhada sobre Proteção de Dados em mundoadvogados.com.br/proteccion_datos