Acesso escritório Cadastre grátis seu escritório

A popularização das indenizações por danos morais

Nos últimos anos, o número de pedidos de indenização por danos morais vem aumentando de maneira exponencial. Veja neste artigo por quê.

31 mar 2014 Atualidades sobre advocacia - Leitura: min.

Novo Hamburgo Rio Grande do Sul

3 Recomendações

Nos últimos anos o número de processos envolvendo pedidos de indenização por danos morais vem aumentando de maneira exponencial. Isso se dá em função do aumento da percepção dos direitos e necessidade de reconhecimento dos mesmos, auxiliado por operadores do direito, como advogados, Procons, promotores, entre outros.

Dessa forma, o exagero por parte de alguns é um processo natural, cabendo ao Poder Judiciário definir os limites na análise dos casos concretos, rejeitando os excessos. Em meio a essa verdadeira popularização das ações com pedidos de danos morais, os julgadores juízes acabam optando por responder de maneira dura alguns pedidos, como é o caso do nobre magistrado Luiz Gustavo Giuntini de Rezende, do Juizado Especial Cível e Criminal de Pedregulho (SP).

Ao julgar uma ação com pedido de indenização por danos morais em que o autor foi impedido de entrar em uma agência bancária em virtude do travamento da porta giratória, o juiz assim proferiu: “O autor não tem condição de viver em sociedade. Está com a sensibilidade exagerada. Deveria se enclausurar em casa ou em uma redoma de vidro, posto que viver sem alguns aborrecimentos é algo impossível".

O aumento das ações de danos morais traz grandes prejuízos, tais como o acúmulo de processos, bem como a banalização das indenizações. Desta forma, quem realmente deve ser condenado acaba pagando míseras indenizações, não atingindo o objetivo principal, qual seja, penalizar para que não se repita o ato ilícito.

Em contrapartida, uma indenização vultosa em virtude de meros dissabores da vida revela-se injusta, incentivando tais ações judiciais com a mera busca por sentenças de cunho “financeiro", tão somente. Portanto, o que se deve buscar é o equilíbrio, em que todos exerçam seus direitos com consciência, sem olvidar do cumprimento de seus deveres.

Desta forma, a sociedade como um todo só tem a ganhar. Ações indenizatórias por danos morais sempre existirão, mas que sejam para a proteção de legítimos direitos, e não apenas para enriquecimento sem causa.

0 Curtir

Deixe seu comentário

INFORMAÇÃO BÁSICA SOBRE PROTEÇÃO DE DADOS
Responsável: Verticales Intercom, S.L.
Finalidades:
a) Envio de solicitação ao cliente anunciante.
b) Atividades de publicidade e prospecção comercial, por diferentes meios e canais de comunicação, de produtos e serviços próprios.
c) Atividades de publicidade e prospecção comercial, por diferentes meios e canais de comunicação, de produtos e serviços de terceiros de diferentes setores de atividade, podendo implicar repasse dos dados pessoais a esses terceiros.
d) Segmentação e elaboração de perfis para fins publicitários e para prospecção comercial.
e) Gestão dos serviços e aplicativos oferecidos pelo Site ao Usuário.
Legitimação: Consentimento do interessado.
Destinatários: Está previsto o repasse dos dados aos clientes anunciantes para atender suas solicitações de informação sobre os serviços anunciados.
Direitos: Tem o direito a acessar, retificar e eliminar os dados ou se opor ao tratamento dos mesmos ou a alguma das finalidades, bem como outros direitos, como se explica na informação adicional.
Informação adicional: É possível consultar a informação adicional e detalhada sobre Proteção de Dados em mundoadvogados.com.br/proteccion_datos

Comentários (2)

  • Equipe MundoAdvogados.com.br

    Olá Régis, para conseguir uma resposta mais rápida, melhor contatar diretamente o escritório Manini Advogados através de seu perfil na seção "Advogados". Att. Equipe MundoAdvogados.com.br

  • Régis Ivan Halfen

    Em qual situação posso requerer indenização por dano moral? Quais as provas que necessito nessa situação? Desde já, agradeço! Att. Régis

  • Você não pode deixar de ler...